Em Cajazeiras: Candidatos reúnem militância, respondem questões, alfinetam adversários, lançam propostas e investimentos a Paraíba

O governador Ricardo Coutinho garantiu concluir as obras do aeroporto até o mês de dezembro. "Não é promessa, é compromisso".

O primeiro debate a Governo do Estado comandado pela TV Diário do Sertão em parceria com a OAB seccional de Cajazeiras ocorreu nesta sexta-feira (05), e contou com a presença dos seis candidatos, são eles: Ricardo Cotinho (PSB); Major Fábio (PROS); Cássio Cunha Lima (PSDB), Tárcio Teixeira (PSOL); Antônio Radical (PSTU) e Vital do Rêgo (PMDB).
Com a presença das autoridades municipais, estaduais, vários prefeitos da região, entidades representativas, imprensa e militância dos candidatos, o debate começou pacificamente. 

Inicialmente os candidatos tiveram dois minutos para responder o objetivo de suas proposituras ao Governo da Paraíba.

O candidato Major Fábio foi o sorteado para fazer a primeira pergunta, escolhendo Ricardo Coutinho para responder. Ele indagou sobre recursos em investidos hídricos. Em resposta o socialista afirmou que investiu em três anos e meio mais do que o seu adversário (Cássio), investiu em sete anos. “O Governo do Estado fez mais do que qualquer Governo e vamos fazer mais”. Ricardo citou inclusive, a adutora de Triunfo no Sertão do Estado, e declarou: “Não estou participando de uma gincana, trabalho para melhoria de vida da população. Não prometo eu faço”.

O segundo a perguntar foi o candidato Vital do Rêgo, que indagou sobre a seca ao adversário Tárcio e acusou Ricardo Coutinho de se apropriar de obras do Governo Federal. Em resposta, Tárcio disse que se eleito vai investir em recuperação de mananciais, e buscar aumentar os reservatórios de toda Paraíba. “Enquanto vocês pintam um mundo perfeito em seus guias eleitorais nós estamos passando sede, e mais da metade da população sofre esta miséria, que a falta de água e vocês culpam o céu”.

A terceira pergunta foi feita a Cássio por Ricardo Coutinho, que perguntou sobre as realizações em Cajazeiras. Ele respondeu, dizendo: “Vou começar pelo que não fiz. Não persegui, não demiti e não apreendi motos”. Ricardo retrucou: “Você é candidato de uma nota só. Você se resumiu dizendo que calçou uma rua em sua gestão de sete anos. Seu Governo foi improdutivo e essa história de perseguição não cola mais”.

Tárcio perguntou sobre a saúde a Antonio Radical, que prometeu acabar com a terceirização dos serviços de saúde. “Vou acabar com isso a partir de janeiro de 2015 e realizar concurso para saúde, sem precisar dever favor a ninguém”. 

Cássio perguntou a Vital do Rêgo sobre adutora de Capivara, e sobre investimentos hídricos na região sertaneja. “Estamos a beira de um colapso hídrico, e temos que executar imediatamente medidas que abasteçam a população do Sertão. O PMDB fez o maior investimento hídrico da Paraíba, e citou as dificuldades de água em Cajazeiras, Pombal e São Gonçalo”. Frisou Vital. Em resposta, Cássio disse que Capivara não é uma obra do PMDB, mas do povo. “Nós que fizemos”. Já Vital alfinetou: “Cássio faz oposição a um Governo que ele foi fiador”.


Antonio Radical perguntou por fim, a Major Fábio, que perguntou sobre corrupção e citou ocaso governador cassado no Estado. “Não aceito a corrupção. Vou criar um comitê contra corrupção e ninguém vai usar o dinheiro do povo em proveito próprio, e indagou? Onde estava Cássio quando seus amigos foram demitidos e ele que fazia parte do Governo de Ricardo porque se calou?”

Pergunta do internauta
Seis perguntas de internautas foram feitas durante o terceiro bloco. A primeira internauta perguntou sobre ação relevante em Cajazeiras. O sorteado a responder foi Antonio Radical, que disse ser difícil elencar apenas uma, e afirmando que o aspecto rural e a convivência com a seca na cidade e em toda Paraíba são prioridades.

Sobre a discriminação homosexual e os vários crimes contra eles, quem respondeu foi Vital, que afirmou ser o Estado responsável por proteger a todos. “O sistema de segurança acabou. A insegurança toma conta da Paraíba inteira, e meu compromisso é para todos os paraibanos indistintamente”.

A pergunta sobre a Estrada de Triunfo, quem respondeu foi Major Fábio, que assegurou ser necessário buscar recursos federais e alfinetou Cássio e Vital: “Tem dois senadores de Campina e a cidade não tem uma emenda de bancada. A Paraíba precisa de união”. Ele também criticou a entrada a cidade de Cajazeiras. “Está ruim é preciso melhorar”.

Sobre o Aeroporto, o que vai fazer para resolver a homologação. Quem respondeu foi Tárcio, afirmando que é necessário discutir com a população sobre a necessidade da obraA , e elencar prioridades. “Tem coisas emergenciais que não estão sendo atendidas”.

A indagação sobre as vias ferroviárias inutilizadas e os poços de petróleo do Rio do Peixe que deixaram de ser explorarados. Quem respondeu foi o candidato Cássio, que afirmou estar lutando para incluir a Paraíba no projeto da transnordestina. “Temos que conseguir obras estruturantes para economia do nosso Estado”.

O último internauta escolhido perguntou sobre o critério para escolha dos cargos comissionados. Quem respondeu foi Ricardo Coutinho e ele disse que fará como em seu atual Governo. “Os comissionados serão escolhidos pela sua competência”, disse.


Pergunta entre candidatos
Major Fábio perguntou a Tárcio sobre a segurança. “O governador Cássio que foi cassado recentemente e disse que contratou vários policiais, mas segurança pública não se faz assim, com delegacias fechadas e poucos policiais nas ruas. É preciso avançar, valorizar a segurança pública”.

Vital do Rego perguntou a Ricardo Coutinho sobre a saúde e sobre o PCCR da saúde. Em resposta, o socialista disse: “Não sei de onde Vital tirou isto. Fui eu quem mais investiu na saúde, aumentei 900 leitos, abri hospital no Sertão e em toda Paraíba, além do centro de oncologia em Patos”. Ricardo elencou também a abertura da Upa em Teixeira, e em Cajazeiars, além de um tomógrafo de alta resolutividade que chegará a Cajazeiras ainda neste mandato.

Cássio perguntou ao Major Fábio sobre a Emater. A resposta do candidato alfinetou Cássio e declarou: “O senhor estava com Ricardo até pouco tempo, e era o senhor quem defendia que ele merecia mais quatro anos. Seu Governo não foi diferente do dele”. Cássio retrucou dizendo: “Major Fábio sempre traz essa provocação que apoiei Ricardo, mas ele também apoiou”. Major Fábio respondeu: “Rompi com Ricardo na véspera, mas não esperei três anos e três meses como você”.

Ricardo perguntou a Cássio: “Quero que ele explique como a taxa de homicídio saiu de 17% para 34% em seu Governo?”. Cássio não deu resposta direta, mas afirmou que os números não foram provados, e prometeu melhorar a segurança pública. Ricardo respondeu: ‘Se continuar assim o senhor vai me culpar de não construir um foguete para o senhor chegar a lua. Quando assumir era 41%, e nós conseguimos a maior queda na taxa de homicídio do Brasil. Peço que o senhor respeite a polícia aqui presente”.

Tárcio perguntou a Vital sobre a privatização da saúde que iniciou em campina Grande com o Governo de Cássio. Vital declarou que os governos de Cássio e Ricardo se mantêm sob suspeição. “Vamos construir um hospital de trauma no Sertão. Vamos interiorizar a saúde”.

Antônio Radical ficou com a última pergunta e perguntou a Ricardo Coutinho sobre suposta compra de deputados. Ricardo assegurou que nunca comprou deputados, pois governou com minoria e não concorda com a política de compra e venda. “A política não é balcão de negócio. A política não serve para isso. Não concordo com a compra dos deputados, mas não é culpa de quem quer se vender, mas pela cultura cultivada por muitos que aqui estão”. Antonio Radical concordou com Ricardo e disse que a compra de deputados na Paraíba é verdadeira, pois dois deles denunciaram esta semana compra de até R$ 1 milhão. Já Ricardo afirmou que chamam ele de radical porque não concorda com essa política, que leva o dinheiro do povo para fins ilícitos, deixando a Paraíba sem os serviços essenciais.


Pergunta das entidades
A primeira pergunta foi feita pelo presidente da OAB de Cajazeiras, João de Deus Filho ao candidato Cássio, que indagou sobre a construção do novo Fórum da cidade. O candidato respondeu que o Tribunal de Justiça é autônomo, não sendo possível interferir no orçamento. “O que podemos é cobrar, mas respeitando claro, a autonomia do Tribunal de Justiça”.

O padre Janilson, representando a Igreja Católica, que perguntou sobre a política de enfrentamento às drogas. O Major Fábio foi sorteado para responder, que afirmou ter conhecimento das entidades que cuidam dos dependentes. “Queremos tratar o viciado, Não vamos permitir drogas nas escolas, nas praças. Isso destrói as famílias”.

O representante do sindicato dos trabalhadores rurais, Rildo Soares perguntou sobre a agricultura familiar. Antonio Radical disse que a agricultura familiar está no esquecimento. “Precisamos fortalecer a reforma agrária”.

Sérgio Damaceno, representando o Conselho de Pastores perguntou sobre alianças ao combate as drogas e religião nas escolas. Vital do Rêgo respondeu: “A Igreja vem desempenhando um papel que é do Governo. São programas sociais que elevam as pessoas. Estamos implantando um programa para recuperar os dependentes, pois a droga escraviza as pessoas”

O professor Chagas Amaro, representando o MAC (Movimento dos Amigos de Cajazeiras) perguntou sobre as linhas aéreas regulares, além da conclusão do aeroporto de Cajazeiras. Ricardo Coutinho respondeu, e afirmou que concorda com a preocupação dos cajazeirenses, além de destacar os serviços sendo realizados.

“O aeroporto estará pronto para homologar até dezembro. Isso não é promessa de candidato é compromisso com o povo”. Anunciou Ricardo.

Irlando Ricarte, representando a CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas de Cajazeiras) perguntou sobre a construção do IML. O candidato Tárcio disse que essa já foi uma cobrança do candidato Gobira. “O Governo do PSOL vai conseguir isso, em respeito às pessoas”.

A imprensa teve direito de fazer seis perguntas, uma para cada candidato, sendo sorteada a ordem de resposta, onde os candidatos responderam e já fizeram suas considerações finais no debate promovido pelo sistema Diário do Sertão de Comunicações, em parceria com a OAB.

DIÁRIO DO SERTÃO