MIRIAM LEITÃO DIZ QUE IDADE MENOR PARA MULHER SE APOSENTAR É PATERNALISMO

Do 247
A jornalista Miriam Leitão decidiu comprar uma briga com o público feminino, ao defender a tese de que homens e mulheres devem se aposentar com a mesma idade, muito embora as mulheres tenham jornadas duplas – no trabalho e no lar; "É totalmente sem sentido, e desatualizada, a proposta de que a mulher deve ser compensada com uma idade menor de aposentadoria. Defendida por algumas profissionais — as quais, aliás, respeito profundamente —, a ideia acaba fortalecendo o papel tradicional da mulher, quando já passa da hora de rever essa divisão envelhecida dos papéis masculino e feminino", diz ela
A jornalista Miriam Leitão decidiu comprar uma briga com o público feminino, ao defender a tese de que homens e mulheres devem se aposentar com a mesma idade, muito embora as mulheres tenham jornadas duplas – no trabalho e no lar.

"É totalmente sem sentido, e desatualizada, a proposta de que a mulher deve ser compensada com uma idade menor de aposentadoria. Defendida por algumas profissionais — as quais, aliás, respeito profundamente —, a ideia acaba fortalecendo o papel tradicional da mulher, quando já passa da hora de rever essa divisão envelhecida dos papéis masculino e feminino", diz ela, no artigo Mulher e Previdência.

"O paternalismo em relação à mulher faz parte da discriminação contra ela. É a outra face da mesma moeda. Foi partindo do equivocado pressuposto de que elas seriam incapazes de prover sua subsistência, se não se casassem e ficassem sem o pai, que se criou o absurdo das pensões para filhas de servidores de algumas categorias do setor público, principalmente das filhas de militares. Isso mudou, mas o peso do passado continua sendo carregado pelo conjunto da sociedade. O país está com a Previdência quebrada porque homens e mulheres se aposentaram precocemente, filhas de servidores tiveram benefícios excessivos, e a desigualdade da sociedade foi reproduzida no acesso à Previdência. Isso à custa da exclusão de milhões de brasileiros, a quem só foi dada a possibilidade de um benefício ao fim da vida. Quanto menos desigualdade houver no sistema, melhor ele será", argumenta.