Tovar questiona arquivamento de CPIs e afirma que oposição tomará medidas contra manobras

“NÃO VAMOS NOS CALAR”

O deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) questionou o resultado das Comissões Parlamentes de Inquérito (CPIs) extintas pelo presidente da Assembleia Legislativa e cujos atos foram publicados no Diário do Poder Legislativo (DPL) desta quinta-feira (16). Ele disse ainda que a bancada de oposição irá consultar o Regimento Interno da Casa para adotar medidas contra os atos. Para Tovar, as manobras foram tomadas com exclusiva tentativa de barrar a instalação da CPI do Empreender-PB.

“Nós queremos saber em quê resultou essas CPIs extintas e saber ainda em quais porões elas aconteceram. Porque nesse plenário elas nunca funcionaram. Além disso, nós estamos estudando qual remédio regimentalmente será aplicado contra esses fatos”, afirmou o parlamentar na tribuna da Assembleia. 

Na tarde de ontem, deputados de situação protocolaram dois pedidos de abertura de CPIs. Uma para investigar os danos causados aos consumidores paraibanos pelo descumprimento de leis relativas a operações bancárias e outra sobre o direito à meia entrada. Em paralelo, o presidente da Casa extinguiu todas as CPIs que estavam tramitando na Assembleia, com exceção para a CPI da Telefonia. Além delas, o ato da Presidência também excluiu os pedidos de CPI que estavam protocoladas e “na fila” para serem instaladas. Entre as quais, a CPI do Empreender.

"Precisamos saber os motivos que o Governo tem para não permitir que o Empreender seja alvo de debates nesta Casa. Qual é o problema? Deixem que a CPI seja instalada e vamos discutir com toda a Paraíba esse programa. Quem não deve não teme. Mas, infelizmente um Governo que se mete até em votação de medalha nessa Casa, acaba recorrendo a manobras para barrar o interesse público (...). Mas, não iremos nos calar. Nossa cobrança vai continuar”, ressaltou Tovar Correia Lima. 

O Diário do Poder Legislativo desta quinta-feira (16) trouxe o arquivamento da CPI para investigar uma suposta indústria de multas em João Pessoa (apresentada pelo deputado Adriano Galdino); a CPI do Telemarketing (proposta por Hervázio Bezerra); a CPI do Empreender (solicitada pelo então deputado Dinaldinho Wanderley), além da CPI que investigaria a venda de ações da Saelpa e Celb para beneficiar a Energisa (proposta por Inácio Falcão); e a CPI da Federação Paraibana de Futebol (protocolada por Janduhy Carneiro).

Assessoria